Buscar
  • Da Mata Salada

Quero reciclar, o que preciso saber?

Atualizado: 24 de nov. de 2021

Esses dias falamos no nosso instagram sobre a pegada ecológica, ou seja, a área produtiva que corresponde ao necessário para produzir produtos, bens e serviços que sustentam o seu estilo de vida.

Uma das maneiras de diminuir a sua pegada é reciclando e reutilizando seu lixo e reduzindo seu consumo. Hoje estamos vindo aqui para mostrar como você pode aplicar a reciclagem no seu dia a dia.






HISTÓRIA


O lixo existe desde que existem restos de animais ou vegetais, dejetos de seres vivos. E conforme a civilização humana foi crescendo, também cresceu a quantidade de lixo produzida.


Sistemas de esgoto e leis de como descartar determinados itens estão aí desde as civilizações antigas, como dos hindus. Na idade média havia destinação de restos de animais e excrementos, além da proibição de lixo e fezes nas ruas e, assim, surgiram as primeiras coletas de lixo.


Com a revolução industrial, os materiais inorgânicos, como plástico, metais, vidros, ganharam a cena e a questão da destinação do lixo ficou ainda mais complexa. Além da questão de espaço (para onde enviar todo o material), sucedeu a novidade das características dos materiais como eletrônico, radioativo, industrial, químico, entre outros. Assim, pela necessidade, foram surgindo formas de reutilizar ou reciclar o material que era descartado.



RECICLAGEM


O conceito de reciclagem consiste em reprocessar um elemento. É diferente de reutilizar, que é a utilização para a mesma ou outra função. Esse reprocessamento acontece quando há transformação física, química, físico-química ou biológica do resíduo sólido, de modo a atribuir características ao resíduo para que ele se torne novamente matéria-prima ou produto. Sobre o material orgânico, falamos no post anterior a respeito da compostagem.


Além da redução do lixo e desoneração dos recursos naturais, outro benefício da reciclagem é o fato de o processo ajudar a movimentar a economia, pois empresas especializadas nesse processo passam a atuar, gerando empregos e renda. Com a formação de cooperativas de reciclagem, como a dos catadores de papel, mesmo que quase sempre em regime informal de trabalho, muitas pessoas adquirirem uma renda.


A reciclagem também pode ajudar a reduzir o consumo de energia. O alumínio, por exemplo, é um metal totalmente reciclável. Ele é produzido a partir da bauxita, um recurso mineral não renovável extraído do solo, e demanda um alto consumo energético. Dessa forma a reciclagem pode trazer vantagens econômicas.



REALMENTE QUERO RECICLAR, MAS COMO?


Antes de tudo é importante saber quais são as opções de descarte de sua região. Você pode ser atendido pelo serviço de coleta seletiva , ou talvez o descarte deva ser realizado por meio de postos independentes (veja como localizar postos de reciclagem próximos à sua residência). Isso, além de Cooperativas próximas ou catadores que possam auxiliar no direcionamento correto.


O segundo passo é identificar se o local que coleta ou posto destinado aceita receber todos os materiais em questão. O lixo reciclável é composto principalmente pelo papel, papelão, vidro, plástico (alguns tipos, falaremos no próximo blog) e alumínio.


O material precisa estar limpo e seco. Não é necessário uma super limpeza, o ideal é que não haja resíduos de alimentos, pois pode ocorrer uma proliferação de bactérias e contaminar os demais materiais, inviabilizando a reciclagem.


Pontos de atenção:

1. Vidro: mesmo não quebrado deve estar envolto de material protetor para não apresentar risco na hora da manipulação dos trabalhadores.

2. Papel: quanto menos amassado, melhor, pois quanto mais intacto, maior o valor do papel para a reciclagem.

3. Medicamentos possuem logística reversa em farmácias. Basta perguntar ao atendente onde fica o local de descarte.


São 3 categorias de lixo a ser atentar antes de separar:

1. Orgânico: restos de comida, papéis sujos


2. Reciclável: em detalhes no próximo tópico.


3. Perigoso: aquele que apresenta riscos à saúde pública e ao meio ambiente - inflamável, contaminante, corrosivo, reativo quimicamente - como: tinta, lixo hospitalar, produtos químicos, lâmpadas fluorescentes, pilhas, baterias, entre outros


O lixo perigoso não pode simplesmente ser destinado ao lixo comum, pois uma vez descartado em aterros, lixões, junto com a água da torneira (no caso de tintas látex, por exemplo) ou no solo, o lixo perigoso pode causar danos irreversíveis à saúde ambiental e humana. Nesse caso, a separação e descarte corretos variam de acordo com cada tipo de material.


Para descarte de seringas recomendamos a leitura do link.


Pontuar se um material é reciclável ou não é relativo. Isso ocorre, pois tecnologias são desenvolvidas todo dia e muitas vezes ela não foi devidamente difundida ou não tem viabilidade econômica. O que sabemos hoje é que existem materiais que são descartados em alta quantidade que são de difícil reciclabilidade, como papéis parafinados ou plastificados, adesivos, etiquetas, fita crepe, papel carbono, fotografias, espelhos, esponjas de lavar louça, esponjas de aço, entre outros.



MAS AFINAL, O QUE É RECICLÁVEL?


RECICLÁVEL:

Papel: cadernos, papéis de escritório em geral, jornais, revistas, panfletos, de embrulho, de seda, papel higiênico não usado, papel toalha não usado, guardanapo não usado, caixas de papelão, cartolinas em geral, papel kraft, papel heliográfico, papel filtrante, papel de desenho.

Plástico: Todos os tipos de embalagens de xampu, detergente, garrafas pet e outros produtos domésticos; tampas plásticas de recipientes e outros materiais, embalagens de plástico de ovos, frutas e legumes; útensílios plásticos, como canetas esferográficas, escovas de dente, , baldes, artigos de cozinha, copos, etc; sacolas; isopor.

Vidro: garrafas de bebidas alcoólica e não alcoólica, frascos em geral (molhos, condimentos, remédios, perfumes, produtos de limpeza), potes de produtos alimentícios, cacos de qualquer dos produtos acima.

Metal: folha-de-flandres (aço revestido com estanho): latas de óleo, sardinha, creme de leite, etc; alumínio como latas de refrigerantes, cerveja, chás, tampa do iogurte, folhas de alumínio, cápsulas de café; ferragens; arame; fio de cobre; panela sem cabo.


NÃO RECICLÁVEL:

Papel: vegetal, celofane, encerados ou impregnados com substâncias impermeáveis, papel carbono, papéis sanitários usados, ou sujos, engordurados ou contaminados com substâncias nocivas à saúde, papéis revestidos com algum tipo de parafina ou silicone, fotografias, fitas e etiquetas adesivas, extratos bancários, vias de maquina eletrônica

Plásticos: conhecidos como termofixos são usados na indústria eletro-eletrônica e na produção de alguns computadores, telefones e eletrodomésticos; celofane; embalagens plásticas metalizadas*, como as de bolachas e salgadinhos; acrílico.

*Feito de um material chamado BOPP (película de polipropileno biorientada), há controvérsias em sua reciclagem. Embora uma pesquisa tenha revelado que o material é 100% reciclável, em São Paulo ele é considerado um material não reciclável.

Vidro: espelhos; de janelas; de automóveis; lâmpadas; tubos de televisão e válvulas; ampolas de medicamentos; cristal; vidros temperados planos ou de utensílios domésticos.

Metal: esponja de aço; lata de aerossol; lata de tinta; lata de verniz.


E outros itens que não possuem lixeiras específicas?

Talvez possam ser reciclados quando destinados em postos de coleta específicos.

Para saber mais sobre descarte recomendamos a leitura do link (clique aqui).



Tem alguma dúvida que não falamos aqui? Manda para a gente pelo e-mail contato@damatasalada.com.br ou pelo instagram.

30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo