Buscar
  • Da Mata Salada

Compostagem | O que é? Para que serve? Quais os tipos?



Compostagem ainda hoje é um assunto restrito e a prática desta ação em casa, mais ainda. Não é uma prática nova, mas recentemente com a crescente preocupação com sustentabilidade, vem ganhando força e visibilidade. Isso, uma vez que ajuda na redução das sobras de alimentos, tornando-se uma solução fácil para reciclar os resíduos gerados em nossa residência.

Viemos contar um pouco para vocês, e quem sabe ajudar com algumas dúvidas!


A compostagem orgânica é realizada há séculos no oriente médio, principalmente na China, para a obtenção do adubo orgânico. No ocidente, ficou conhecida em torno de 1920, através da propulsão da compostagem doméstica. Na Europa, durante os séc. XVII e XIX, a técnica era usada para correções orgânicas do solo.



O QUE É?


Compostagem é a decomposição e reciclagem de matéria orgânica. É um processo biológico e natural, no qual fungos, bactérias e microorganismos transformam resíduos, como sobras de frutas, em compostos orgânicos ricos em nutrientes. Podendo ser de origem urbana, industrial, doméstica, agrícola ou florestal.



PARA QUE SERVE?


Além de gerar um material estável, rico em nutrientes minerais, a compostagem ajuda na redução da sobra de alimentos, o que torna uma solução fácil de redução da geração de lixo domiciliar, quando a prática é aplicada em casa. O subproduto dessa decomposição é o húmus e o chorume, ambos utilizáveis na fertilização de hortas, jardins e fins agrícolas, evitando o uso de fertilizantes sintéticos.


Segundo o IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 52% do volume total de resíduos produzidos no Brasil são de origem orgânica e não recebem nenhum tipo de tratamento específico.

TIPOS


São 3 tipos de compostagem:

1. Com minhocas

2. Anaeróbica

3. De revolvimento


1. A vermicompostagem, ou compostagem com minhocas, é de decomposição mais rápida, e pode ser realizada em casas e apartamentos. Com o uso da composteira doméstica há a formação do vermicomposto (húmus de minhocas), subproduto orgânico da ação das minhocas em resíduos orgânicos. O húmus é muito rico em micro-organismos benéficos ao solo.


Como ela funciona ou quais são as fases? É tudo mais simples do que as citadas acima: colocam-se os resíduos orgânicos produzidos pelo domicílio em uma caixa e cobre-se com matéria vegetal seca (serragem ou folhas secas). Em aproximadamente 60 dias, as minhocas nas caixas já fizeram seu trabalho, se alimentando dos resíduos, transformando-os em húmus. E gerando chorume.

Contaremos mais especificamente dessa forma de compostagem no próximo post!


2. Na compostagem anaeróbica, as reações ocorrem por meio da montagem de leiras com revolvimento manual ou com auxílio de pá carregadeira. Leiras são basicamente montes, são feitas de forma estruturada com uma base de matéria vegetal seca (galhos e material grosseiro provenientes de podas), com o objetivo de garantir a inoculação do composto. O sistema funciona com aeração passiva, garantindo o processo termofílico de compostagem.


A biodigestão anaeróbia conta com tecnologias para o processamento da matéria orgânica. A escolha deve ser tomada levando em conta o tipo de resíduo a ser tratado.


Através desta, há vantagens como a produção de biogás, combustível gasoso renovável que pode ser utilizado para gerar eletricidade, calor e substituir combustíveis fósseis ou lenha, produção de biofertilizante líquido ou sólido, baixa produção de lodo (10 a 50% em comparação com processos aeróbios), e é aplicável a pequenas, médias e grandes escala.


São 4 as fases da biodigestão anaeróbia: a hidrólise, a acidogênese, a acetogênese, e a metanogênese.


Na primeira, as ligações moleculares complexas (carboidratos, proteínas e gorduras), são quebradas por enzimas em um processo bioquímico e transformadas em aminoácidos, ácidos graxos e açúcares. Na acidogênese, as resultantes da hidrólise são transformadas em ácidos, álcoois, hidrogênio e gás carbônico. Na terceira fase, acetogênese, o resultante da acidogênese é transformado em ácido etanóico, hidrogênio e gás carbônico. Detalhes a parte, é uma das fases mais delicadas do processo, devido à necessidade de manter o equilíbrio para que a quarta fase possa ocorrer. Na metanogênese, a transformação ocorre por diferentes grupos de bactérias através de duas reações: geração de metano e gás carbônico derivados do ácido acético, e geração do hidrogênio e o gás carbônico dão origem ao metano e a água.


3. A compostagem, quando de revolvimento, acontece em fases, sendo elas muito distintas umas das outras. São elas: mesofílica, termofílica, maturação.



Na primeira fase, os fungos e as bactérias mesófilas (ativas próximas a temperatura ambiente), se proliferam na matéria orgânica aglomerada na composteira, iniciando assim a decomposição. Primeiro são metabolizadas moléculas mais simples. Na fase termofílica, os fungos e bactéricas termofílicos (temperaturas entre 65°C e 70°C), à influência da maior disponibilidade de oxigênio, entram em cena e iniciam a degradação de moléculas mais complexas e, com a alta temperatura, são eliminados agentes patógenos. Na fase final ocorre uma diminuição da atividade microbiana, da temperatura e dos níveis de acidez, produzindo um composto maturado. Essa maturidade é considerada completa quando há decomposição total microbiológica e a matéria orgânica é transformada em húmus, livre de toxicidade, metais pesados e patógenos.



O que acharam? Nos contem: entrem em contato através do direct no instagram @damatasalada ou por email contato@damatasalada.com.br !


Até logo, time Da Mata.







11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo