Buscar
  • Da Mata Salada

AgroAtóxico: alunas de 15 anos criam composto orgânico capaz de substituir agrotóxicos

Um projeto de estudantes paranaenses do ensino médio foi premiado na 18ª Feira Brasileira de Ciências e Engenharia 2020 (Febrace) por ter desenvolvido um composto orgânico capaz de substituir agrotóxicos.

As alunas Sarah Bernard Guttman e Luiza Fontes Bonardi, participantes do projeto AgroAtóxico desde que estavam no 9º ano do ensino fundamental, contam que:

“Nossa motivação veio de um cartaz alertando para o fato do Brasil ser o país que mais consome agrotóxicos no mundo – como forma de combater insetos, pragas e doenças e garantir a produtividade na plantação. Na hora, veio a ideia de fazer algo para mudar isso”.

As estudantes também se preocuparam com a saúde dos agricultores, que ficam diretamente expostos aos agrotóxicos.

Produção orgânica em larga escala



O AgroAtóxico é capaz de ser utilizado em hortas caseiras, pequenas e médias propriedades, mas ele precisa ainda ser testado em larga escala.

As pesquisadoras alertam para a real necessidade de ser feita a transição agrícola para a produção orgânica.

“Estudos já mostraram que, se não fizermos uma mudança na produção de orgânicos, é provável que todos os biomas, em especial a Cerrado, o mais explorado por conta da soja e do pasto, serão extintos em seis anos”, adverte Sarah.

Embora haja preconceito e críticas sobre a produção orgânica em larga escala, como se ela fosse inviável de ser praticada em grandes propriedades, é urgente que práticas de abastecimento sustentável recebam o devido investimento de políticas governamentais.

O projeto das estudantes não apenas mostra a viabilidade de uma produção orgânica alimentar em larga escala como a importância de se investir em ciência.

Parabéns às jovens pesquisadoras!


Por: Greenme

2 visualizações

Rua Florida 669, São Paulo, Brasil. Telefone: 11973783916  CNPJ - 26 379 558 /0001-13 Inscrição Estadual: 141.366.232.112